A urna eletrônica é confiável?


Publicado em 19 de outubro de 2018

Faltando pouco mais de uma semana para o segundo turno das eleições presidenciais, o risco de fraude nas urnas eletrônicas preocupa os eleitores.

As inúmeras denúncias referentes ao desempenho dos aparelhos durante o primeiro turno levantou mais uma vez a discussão sobre a possibilidade de as urnas serem fraudadas.

No primeiro turno surgiram denúncias de eleitores de várias partes do Brasil. A reclamação era de que ao digitar o número do candidato, a foto não aparecia na tela ou aparecia a imagem de outro candidato.

Inúmeros vídeos de reclamações de eleitores foram compartilhados nas redes sociais. Se entre estas denúncias há Fake News? Provavelmente sim, mas é inegável que estes relatos causam desconfiança na hora de votar.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) garante a segurança do sistema eletrônico de votação. De acordo com a explicação disponível no site, os dispositivos de segurança de tipos e com finalidades diferentes, criam diversas barreiras que, em conjunto, não permitem que o sistema seja violado. “Em resumo, qualquer ataque ao sistema causa um efeito dominó e a urna eletrônica trava, não sendo possível gerar resultados válidos”, diz o site.

Mas, apesar da garantia do TSE, o eleitor vai para as urnas no dia 28 com a “pulga atrás da orelha” e questionando se a urna eletrônica é de fato confiável?