Coisa velha


Publicado em 26 de agosto de 2016

A loja de consertos de eletrodomésticos estava lotada. Quem chegava lá para pegar ou deixar algum aparelho ficava na calçada esperando até algum cliente sair para ter um espacinho para entrar. Naquele sábado chuvoso e frio, ficar na calçada com a sombrinha aberta não parecia um bom negócio.

Ao entrar na loja os olhos passeavam dentre os tantos eletrodomésticos nas prateleiras. Tinha aparelhos de décadas expostos para quem quisesse comprar e outros aguardando a vez de serem consertados. O engraçado é que a mente viaja no tempo também. Ao olhar batedeiras, liquidificadores, ferros de passar dos anos 70, a gente volta no tempo e pensa com saudade na vida simples de antigamente. Talvez por isso hoje em dia esteja tão em moda comprar coisa antiga ou vintage, como dizem algumas pessoas. A memória de uma vida descomplicada.

_ Mas esse forno de micro-ondas funciona bem? – perguntava uma jovem mulher para o senhor que parecia dono da loja e também entrava no rol do antigo, já que ele aparentava ter uns 70 anos.

_ Funciona muito bem. E vai ficar lindo na cozinha. A moda agora é colocar coisas velhas em casa.

_ Não é coisa velha que se fala, homem!Eu já não te disse isso outro dia? – retrucou uma senhora que estava no caixa recebendo dinheiro de um cliente – É antiguidade, artigos retrô.

_ A senhora é esposa dele? – perguntou a jovem senhora que queria comprar o micro-ondas.

_ Depois de trinta e tantos anos ainda sou! – respondeu a senhora sorrindo.

_ É. Nosso contrato é bem antigo, retrô. Acho que ainda vai durar mais uns vinte anos. Começou na antiguidade – falou o senhor sorrindo.

Todo mundo na loja se divertiu. Gente vintage e gente atual. Cada um com sua antiguidade na sacolinha esperando para deixar para o conserto. Longos anos de afetividade com seus aparelhos de época, lembranças de uma vida mais simples.