Cueca furada


Publicado em 11 de agosto de 2017

– Você tem esses medicamentos? – pediu a mulher para a atendente no balcão da farmácia. – Tomara que você tenha porque meu marido já está nervoso, jogou a cueca no lixo e se eu não levar os remédios ele vai surtar. Ele ficou lá tomando banho e eu peguei a receita pra comprar o que falta. A atendente ficou curiosa, como todos na farmácia, inclusive eu.

– Mas o que a cueca tem a ver com isso? – perguntou a atendente gentilmente para a mulher não ficar brava com a xeretice alheia, mas o que a mulher queria era contar o fato. E contou, pra alegria de todos nós na farmácia:

– Então, ele chegou agora a tarde muito bravo, chateado e retrucando: “não basta a gente passar mal no serviço e ter que esperar terminar o expediente pra ir ao pronto atendimento do hospital para não perder o dia…não basta isso não…o médico teve que receitar uma injeção e o que acontece?” perguntou ele olhando bravo para mim, claro que eu amansei a voz e perguntei “o que aconteceu querido?, dai ele respondeu mais irritado ainda: “na hora de abaixar a calça pra injeção lembrei que estava com a cueca além de velha, furada”, bradou ele. E dizendo isso ele foi entrando no banheiro, abriu o chuveiro, tirou a roupa, pegou a cueca com toda força e jogou no cesto de lixo. Eu fechei a porta, saí de mansinho com vontade de rir, peguei a receita com os medicamentos pra comprar e aqui estou.

A atendente e todo mundo na farmácia riu com a história da mulher. Ela também riu, pegou os remédios e foi rápido para o caixa.

Eu também ri e acabei me lembrando de uma colega que estudou comigo na sexta ou sétima série (agora não é mais série, é ano…), lá em 1985 ou 1986. Ela sempre dizia que toda vez que ela ia pra algum lugar, ela procurava colocar uma roupa de baixo em bom estado, porque caso acontecesse algum acidente com ela no caminho e os socorristas precisassem cortar a roupa dela, pelo menos ela não estaria usando nada furado ou velho, porque, segundo ela dizia, quando alguém se acidenta, a primeira coisa que fazem é pegar uma tesoura e cortar a roupa da pessoa.

Graças a Deus eu nunca vi se isso é de fato verdade, mas o que é verdade de fato, é que todo mundo passa na vida pela fase da cueca furada, da roupa de baixo velha e gasta, a fase da dificuldade. Nessa fase ficamos nervosos, chegamos irritados e se acontece de alguém ver nossa cueca furada ou nossa calcinha desgastada, pior ainda… A gente joga no lixo a roupa de baixo, às vezes anda só com a roupa de cima, torce pra não se acidentar pelo caminho e pede pra Deus pra fase da cueca furada passar logo.