Fala Povo! – Dia Internacional Contra a Discriminação Racial


Publicado em 23 de março de 2018

O Dia Internacional Contra a Discriminação Racial foi celebrado no dia 21 de março. A data reforça a luta contra o preconceito racial em todo o mundo e, para destacar este assunto de extrema importância, o Fala Povo ouviu pessoas que já foram vítimas de preconceito e decidiram compartilhar suas experiências. Confira.


FALA-POVO----William
“Sofri muito preconceito na infância por ser evangélico, pobre e filho de nortistas. Eu era praticamente excluído no meio da galera. Me lembro que as outras crianças não me chamavam pelo nome, era sempre o ‘baiano’, aliás daí veio o apelido pelo qual sou conhecido até hoje ‘Willian Baiano’. Acabei me tornando um garoto revoltado, brigava muito, pois aprendi a usar da força para me impor contra a discriminação que sofria. Hoje mais experiente, na maioria das vezes relevo, mas é inegável que esse preconceito ainda é muito forte. Falando de Iracemápolis, acho que a cidade precisa ‘crescer’ nesse sentido, pois ainda nos dias de hoje percebo um preconceito, principalmente com os baianos”, Willian da Silva Santos, 45, comunicador

FALA-POVO--Yven--Kelly
“Foi horrível! Eu tinha apenas 7 anos, tinha acabado de me mudar de casa e de escola. A professora dizia que não gostava de pobre e ‘queimadinho, moreninhos e encardidos’. Quando ela descobriu que minha mãe tinha sete filhos e era evangélica, o que era ruim piorou de vez. Todo os dias era uma chacota. Foi a pior fase da minha vida!” Yven Kelly da Silva Andrade, 25, maquiadora

FALA-POVO--Sandra
“Eu fui criança em uma época em que as músicas incentivavam o preconceito,’olha a nega do cabelo duro que não gosta de pentear’. Onde quer que fosse tinha sempre uma piada relacionada a música. A imposição da cultura europeia é uma das culpadas do racismo ainda ser presente na sociedade. Desde crianças somos ensinados que quando uma situação está difícil é porque a ‘coisa está preta’ ou quando se acha que algo não está bom, se diz ‘serviço de negro’ e essas pequenas coisas fazem toda a diferença”, Sandra Regina Pinheiro da Cruz, 45, do lar.

FALA-POVO--Priscila
“Morava em um bairro onde vivem vários ciganos na cidade de São José do Rio Preto (SP). Certa vez, fui a uma loja de conveniência e quando entrei, a moça que estava no caixa olhou para a outra e falou: ‘olha lá a cigana’. Aí minha filha de 10 anos comprou algumas coisas e a moça não deu a nota fiscal para ela. Vi que o troco estava errado e, quando eu fui pedir a nota ela me disse que não podia dar e que nós ciganos enchemos muito, que ela odeia ciganos. Eu chamei a polícia para ela. Me senti muito ofendida com os comentários. Nós sofremos muito preconceito, eu sofri muito na escola quando criança. É muito triste!”, Priscilla Martini, 27, dona de casa.

FALA-POVO---Kadna
“Sofri discriminação em seleção de emprego. Fui chamada para entrevista, mas a pessoa disse que eu não me enquadrava no perfil da loja e, acabei percebendo que era pelo fato de eu ser negra, pois todas as funcionárias eram brancas de cabelos lisos. Outra coisa que acontece com frequência é o meu namorado ser branco e eu ouvir de várias pessoas ‘nossa, por que você não namora um negro?’ Como se fosse proibido pessoas de cores diferentes se relacionarem. Infelizmente o nosso país é racista, nossa cidade e o nosso estado também, e ignorar isso é tapar o sol com a peneira, porque o preconceito racial está aí para quem quiser ver. Já vivi alguns casos, tudo começou na infância, mas depois de adulta eu aprendi a não deixar isso me dominar porque é triste passar por estas situações. Simplesmente ergo a cabeça e continuo , mas é bem difícil ver que algumas pessoas ainda têm essa mentalidade medíocre de não dar oportunidade a outra pela cor da pele.” Kadna Santos Alencar, 26, desempregada.