MAR DE LAMA


Publicado em 1 de fevereiro de 2019

Desde a semana passada estamos acompanhando a dramática situação no Estado de Minas Gerais. Mais uma cidade atingida pela lama da ganância e do egoísmo.

Nem há muito que dizer nessa situação. As cenas na TV dizem tudo. Já é tão difícil a gente perder um ente querido por situações rotineiras da vida, o que dizer para quem está com uma pessoa que ama enterrada na lama, sem saber se está viva ou morta, ou se morta, se vai conseguir enterrar o corpo… A dor é inimaginável. O que fica disso é a indiscutível ganância do ser humano.

Onde gira muito dinheiro, gira também corrupção. Quanto mais se ganha, mais se quer ganhar. Então, vamos fazer o mais barato pra sobrar mais. Não importa se estamos construindo um refeitório em lugar inadequado, é lá que fica mais barato. E quem autoriza? Certamente tem sua parcela de culpa. Por que autorizou? Quem fiscalizou a obra da barragem? Quem atestou a segurança da mesma alguns poucos meses atrás?

Num piscar de olhos tudo pode mudar. Nessa tragédia que se desenrola aos nossos olhos, a culpa se divide, muitos ali tem sua parcela. E agora as vidas? As famílias destruídas? Isso não tem valor no mundo que pague, que traga de volta a vida de antes.

Por isso, eu ainda acredito que tudo tem volta. Para quem acredita na justiça divina ou para quem não acredita em Deus, mas acredita na lei do retorno. Eu acredito em Deus. Acredito que Ele em sua infinita misericórdia vai consolar os que estão sofrendo, mas Ele também é Justiça e vai cuidar de cada um que de alguma forma usurpa o próximo, tirando sua dignidade, sua vida, seja usufruindo de dinheiro público, seja aceitando propinas ou agradinhos para aprovar ou permitir situações que burlam a lei e as regras, sei lá. Tudo o que fere o próximo, o trabalhador honesto, o pai de família, o aposentado, eu acredito que, seja aqui na Terra mesmo ou no porvir, vão acertar suas contas.