Semana mundial da água: Especial saneamento


Publicado em 23 de março de 2018


Município entende que Sabesp é melhor opção

ETA está defasada e precisa de investimentos (Foto: Divulgação)

ETA está defasada e precisa de investimentos (Foto: Divulgação)

O corpo técnico da Prefeitura entende que a Companhia de Saneamento Básico do Estado (Sabesp) é a melhor opção para administrar a água e o esgoto da cidade.

Outras duas empresas apresentaram propostas: BRK – Odebrecht e General Water. A opção da Prefeitura é porque o contrato com a Sabesp pode ser feito por meio de convênio com o Governo do Estado, com fiscalização do Tribunal de Contas.

A Sabesp também propôs a criação de um Fundo Municipal para obras em Iracemápolis. Com isso, parte da tarifa é revertida para o município.

Nossa reportagem listou alguns dos motivos pela preferência da Prefeitura.

Represa Iracema tem planta aquática

"Orelha de rato" precisa ser retirada da Represa Iracema

“Orelha de rato” precisa ser retirada da Represa Iracema

A represa Iracema está tomada pela planta conhecida como “orelha de rato”. Embora não maléfica, ela precisa ser retirada, mas isso tem um custo alto.

Outras obras também precisam ser feitas, como a do reflorestamento da mata ciliar e a do aumento da capacidade da represa.

Para fazer essas obras, o custo é de R$ 911 mil. A Prefeitura afirma que a Sabesp vai viabilizar esse investimento.

“Água na torneira é uma miséria”, dizem moradores do Aquárius

Moradores do Aquárius dizem que a água chega nas casas com pouca pressão.

“É um problema antigo. De segunda a sexta até vai bem, mas de sábado é uma miséria”, dizem. Outros bairros passam pelo mesmo problema, como Paineiras e Ipês.

O que ocorre, segundo a Prefeitura, é que o consumo aumenta bastante nesses dias, sobrecarregando a rede. Para resolver, só com grandes obras.

11 loteamentos na fila

Além de 11 novos, tem os já liberados, como o Jd. Niza Azevedo Calice

Além de 11 novos, tem os já liberados, como o Jd. Niza Azevedo Calice

Com o aumento da população, o atual sistema de água e esgoto está no limite. Mas o município ainda tem 11 loteamentos a espera de aprovação, entre residenciais, comerciais e industriais. Fora os já liberados, como o Jd. Niza Azevedo Calice.

Além disso, há a responsabilidade sobre leis ambientais. Nos últimos anos, o município foi multado várias vezes pela Cetesb, e as multas são caras. “É um dinheiro que poderia ser investido na Saúde”, afirma o prefeito.

Lagoa do Jacinto

Local precisa de projeto de revitalização

Local precisa de projeto de revitalização

Moradores do Jd. Orquídeas, onde fica a “lagoa do Jacinto”, reclamam do mau cheiro que vem da estação elevatória de esgoto do bairro, entre outros problemas.

A Prefeitura diz que até hoje só foram feitas obras paliativas no local. O ideal é um projeto de revitalização, a ser implantado a médio prazo sob a supervisão de uma empresa especializada em saneamento.

Município registra pontos de alagamento

Rua larga causa problema em dias de chuva

Rua larga causa problema em dias de chuva

A Rua “Jerônimo Ometto” é uma das mais largas da cidade. Ela fica no Distrito Industrial perto da avenida principal. Sua inclinação causa transtornos: as bocas de lobo acabam não dando conta quando a chuva é intensa, causando alagamentos.

Moradores de outras ruas também sofrem com isso. A concessão torna possível a realização de obras para melhorar o escoamento das águas pluviais.

Limpeza da lagoa do Centro de Lazer

Com a água limpa, pedalinhos podem voltar

Com a água limpa, pedalinhos podem voltar

A Prefeitura quer fazer a limpeza da lagoa do Centro de Lazer. Todo o parque está sendo reformado, mas a lagoa continua suja.

Para limpar, é preciso ter máquinas e equipamentos. Com a água limpa, é possível voltar os “pedalinhos”, uma opção de lazer para as famílias.

Concessão é saída para o buracão

Bairro tem um dos problemas mais antigos da cidade

Bairro tem um dos problemas mais antigos da cidade

O coordenador de Planejamento Urbano, Benedicto Borba Filho, disse que o buracão do Aquárius pode ter uma solução adequada.

“É preciso investir em obras. O recurso para isso pode vir do Fundo Municipal de Saneamento criado com repasses da Sabesp”, explica.

O formato do terreno faz com que a água se acumule em dias de chuva. Além disso, os moradores sofrem com o cheiro da estação elevatória de esgoto do bairro.

Problemas no Luís Ometto

Moradores do Luís Ometto também reclamam de problemas de saneamento. Há mau cheiro em alguns pontos, que vem da rede de esgoto, pontos de alagamentos em outros, pela inclinação das ruas, e registros pontuais de escassez de água.