Temer fica


Publicado em 4 de agosto de 2017

Quem esperava que o presidente Michel Temer fosse afastado do cargo se decepcionou, pois a Câmara dos Deputados rejeitou na quarta-feira (2) a denúncia de corrupção contra o presidente, apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em 26 de junho.

De acordo com a PGR, o presidente é o destinatário final de uma mala com R$ 500 mil de propina paga pela JBS ao ex-assessor do presidente, Rodrigo Rocha Loures.

Eram necessários 342 votos para que o Supremo Tribunal Federal (STF) pudesse continuar as investigações, mas apenas 227 deputados votaram contra o peemedebista.

Após o resultado da votação o presidente afirmou em seu pronunciamento que “a Câmara dos Deputados, que representa o povo brasileiro, se manifestou de forma clara e incontestável”. Mas será mesmo que a decisão da Câmara refletiu a vontade de 75% do povo brasileiro que segundo pesquisas rejeita o governo Temer?

O presidente deve ter esquecido de mencionar em seu discurso que nos últimos meses, desde que a denúncia foi apresentada, passou a se encontrar com deputados “indecisos” a fim de ganhar seus votos em troca de liberação de emendas e negociação cargos.

Ainda em seu discurso, Temer disse que “Extrapolar o que a Constituição determina é violar a democracia. Todos devem obedecer à lei e à Constituição”. Parece que ele se esqueceu que há pouco mais de duas semanas ele mesmo extrapolou a Constituíção ao elevar o imposto sobre os combustíveis.

Claramente dois pesos e duas medidas. Mas o fato é que a Câmara dos Deputados, que “representa o povo brasileiro” votou e Temer fica!