Você se conhece? Parte VI Nossa composição III


Publicado em 26 de janeiro de 2018

“Oh! quão doces são as tuas palavras ao meu paladar, mais doces do que o mel à minha boca.” Salmos 119:103.

Dando continuidade ao conhecimento de nós mesmos, vamos falar um pouco sobre os outros sentidos e como eles são importantes no direcionamento de nossa alma, como um botão de start (ligar).

Talvez você esteja se perguntando como lidar com tudo isso? Ter o conhecimento de como somos já é um grande passo para nos prevenirmos de muitas coisas, mas fique em paz até o final dessas edições de “você se conhece”, você receberá ferramentas práticas de como trabalhar o seu verdadeiro eu.

Falemos do paladar, se a língua não tem gosto definido ou é de gosto comum em todos os seres humanos, porque beijar muitas bocas antes de se apaixonar de verdade por alguém ao ponto de se casar com a pessoa? Pois é, a língua é apenas mais um canal de informação para a alma. Quando tomamos um sorvete que gostamos em dia de calor, a alma devolve ao corpo o comando de frescor, (prazer mental e físico saudável), quando comemos um churrasco temos a mesma sensação só que de satisfação, pois não comemos só para “matar” a fome e sim porque é prazeroso, e isso é a mesma sensação, quando beijamos alguém. Nem sempre vem a excitação, mas sim o prazer de estar beijando alguém que gostamos ou amamos (é claro que a língua é uma das áreas erógenas mais usadas, mas quando falo de vida a dois, nem sempre é isso e sim o prazer de beijar quem se ama).

Quem já sentiu o gosto de algo só de imaginar? É a língua que faz isso? Não! Nossa memória e mente trouxeram até a alma uma lembrança e automaticamente a alma lançou sobre o corpo a emoção, sentimento e até mesmo a sensação prazerosa de estar degustando aquilo que gosta, nossa alma é fantástica e necessita ser alimentada das coisas boas da vida e principalmente das coisas invisíveis, incríveis e excelentes de Deus.

O corpo é muito importante, mas a alma é a essência do nosso “real eu”.

Paz de Cristo!