“Cuide da sua cabra que o meu bode está solto”


Publicado em 17 de maio de 2019
Facebook: Graziela Félix  Instagram: grazifelix

Facebook: Graziela Félix
Instagram: grazifelix

Quem nunca ouviu essa frase em conversas de família? Se você não ouviu, parabéns! Confesso que sinto uma certa inveja porque eu cresci ouvindo essa asneira e sempre me embrulhou o estômago cada vez que alguém soltava um absurdo deste na casa dos meus pais.

Mas vamos analisar ao pé da letra. Essa frase nos mostra, mais uma vez, como a cultura machista está enraizada na nossa sociedade. Na tradução, ela significa: não deixe sua filha sair sozinha de casa, não deixe sua filha usar short curto, não deixe sua filha ter amigos homens, não deixe sua filha fazer nada porque “os meus filhos homens” estão soltos e podem tudo mesmo contra vontade dela.

A frase considerada uma “brincadeira” e sem nenhum fundo de maldade também significa: se a sua filha for estuprada, a culpa é dela! Afinal, quem mandou soltar a cabra? Você sabia que meu bode estava solto!

Conseguem perceber que uma “brincadeira” não é tão simples assim? Conseguem entender que esse tipo de comportamento padronizado traz consequências gravíssimas?

Para se ter uma ideia, na edição de 2018, pela primeira vez, o Atlas da Violência (Ipea/FBSP) apresentou uma análise sobre a violência sexual contra meninas e mulheres. Ao comparar os dados registrados pelas polícias nos estados brasileiros e no Sistema Único de Saúde, o estudo mostrou que são registrados 135 estupros por dia no Brasil.

Os dados, que já são alarmantes, não dão a verdadeira dimensão desta grave violência no Brasil porque muitas vítimas não têm coragem de registrar boletim de ocorrência. Com base em estudos internacionais, o Atlas considera que apenas de 10% a 15% dos casos são reportados, o que elevaria para 300 mil a 500 mil o número de estupros cometidos no Brasil a cada ano.

Isso mesmo que você leu: 300 a 500 mil estupros por ano! Basicamente, enquanto você lia este texto, duas mulheres eram estupradas no país.

Então, homens, nos ajudem. Repensem seus comportamentos e eduquem os seus “bodes” para que nossas “cabras” possam viver em paz.