Márcia Baldini: “Casa Lar possibilita resgate da auto-estima e da interação social”


Publicado em 15 de junho de 2018
Coordenadora da Promoção  Social fala sobre o espaço protetivo de abrigo que será instalado  no município (Foto: Assessoria de Imprensa da PMI)

Coordenadora da Promoção Social fala sobre o espaço
protetivo de abrigo que será instalado no município (Foto: Assessoria de Imprensa da PMI)

A Prefeitura fechou parceria com a instituição social “Lar Nova Vida” para implantar o projeto “Casa Lar” em Iracemápolis — que acolhe crianças e adolescentes que estão afastados da família e precisam de espaço protetivo de abrigo.

Nesta entrevista, a coordenadora da Promoção Social, Márcia Baldini, fala sobre a importância desse trabalho.

Como funciona o Casa Lar?

O projeto acolhe crianças e adolescentes em situação de abandono ou com famílias impossibilitadas de cumprir sua função de cuidado e proteção. Isso é feito até que seja viabilizado o retorno à família ou a uma substituta, a depender do que determinar a Justiça.

Por que isso é importante?

Porque possibilita o resgate da autoestima e da interação social. É um modelo de trabalho que segue o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Quantas crianças são atendidas?

Hoje temos apenas um caso, mas recentemente tínhamos sete. A demanda não pode ser prevista: a qualquer momento podem surgir situações que exijam o acolhimento.

Antes da parceria, essas crianças eram enviadas à Limeira?

Sim, o que dificultava o trabalho, pois a criança precisava mudar de cidade, de escola, de profissionais de referência e de toda a rede técnica de apoio que a acompanhava.

Como será o trabalho em Iracemápolis?

Vai seguir a legislação da área. A equipe técnica conta com assistente social, psicólogo, educadores sociais e outros profissionais. Vale dizer que o acolhimento institucional vem só depois de tentarmos resolver o problema por outros meios. É a última alternativa para proteção da criança e do adolescente.