O poder do batom


Publicado em 26 de junho de 2020
Graziela Félix - Jornalista Instagram: @grazifelix

Graziela Félix – Jornalista
Instagram: @grazifelix

Toda mulher sabe que o batom vermelho é poderoso. Seja para seduzir ou se sentir bonita, ele é indispensável. Além de tudo isso, agora, em pleno 2020 durante uma pandemia, ele aparece com um poder ainda maior: ser a voz das vítimas de violência.

Recentemente foi lançada a campanha Sinal Vermelho Contra a Violência, promovida pelo Conselho Nacional de Justiça e pela Associação dos Magistrados Brasileiros. A ação visa incentivar as vítimas de violência doméstica a denunciarem agressões nas farmácias.

Na prática funciona assim: se você for vítima de agressão e estiver com receio de ligar para a polícia, basta ir até a farmácia mais próxima e mostrar a palma da sua mão que deverá estar com um X que poderá ser escrito com o batom vermelho, aquele poderoso que você guarda para ocasiões especiais. O atendente vai ligar imediatamente para a polícia e só vai te liberar quando você, de fato, estiver segura.

Essa campanha não vai resolver todo o problema, eu sei, mas vejo como mais um avanço quando tratamos desse tema. Muitas mulheres têm dificuldade para prestar queixa por vergonha ou por medo e, em muitos casos, a vítima não consegue denunciar as agressões porque está sob constante vigilância.

Neste período de quarentena, as denúncias de violência doméstica vêm crescendo absurdamente. Em alguns estados, chegou a 50%. O mais triste é saber que esses números não são reais porque muitas vítimas não fazem a denúncia. E a situação consegue piorar já que as agressões, muitas vezes, acontecem na frente dos filhos. O reflexo disso são filhos violentos, que certamente vão reproduzir o comportamento dos pais, e filhas achando que é “normal” homem bater em mulher porque sempre viu isso acontecendo dentro de casa.

Cabe a nós, seres humanos, vítimas ou não de agressão, ajudar a quebrar essa reprodução de comportamento que mata a mulher aos poucos.

Você não é vítima? Apoie esta campanha mesmo assim! Fale sobre ela para as suas amigas, nos almoços de domingo, nos telefonemas que estão mais constantes durante a quarentena e nas reuniões virtuais. O importante é que mais mulheres saibam que elas têm um forte aliado ali ao lado dela, dentro da bolsa ou do nécessaire.

Vamos juntas?