Integridade x Corrupção – final Relacionamentos


Publicado em 29 de setembro de 2017

“Não se engane; de Deus não se zomba, pois tudo que plantares certamente colherás” Gálatas 6:7.

Começo com uma pergunta simples, mas de difícil resposta: qual o critério de uma relação íntegra? Pois é, quem hoje em dia consegue confiar 100% em alguém? Quem consegue depositar 100% de confiança em alguém? A integridade não esta relacionada a perfeição do ser humano, mas sim a sinceridade com que ele trata os seus relacionamentos.

Sabemos que não conseguimos esconder nada de Deus, mas das pessoas não é tão difícil assim. Posso manter uma relação paralela com outra pessoa, enganando as duas, tanto no meio da amizade, profissional (dois trabalhos), conjugal e até mesmo religioso (ser membro de uma igreja mas dar mais ouvidos aos ensinamentos de outra).

A base de um relacionamento íntegro é dizer a verdade sempre, não necessariamente no momento em que acontece, mas no momento certo, onde os dois possam estar preparados para ouvir e falar sobre o assunto. Uma das coisas que mais afeta um relacionamento são os sentimentos feridos, confusão de sentimentos, descontrole emocional.

Quando não temos certeza do que está acontecendo, como podemos explicar ao outro? Isso não significa falta de integridade, mas sim momentos difíceis. Seja qual for o momento e o relacionamento que você tem com quem for, nunca deixe de ser íntegro, afinal a corrupção, se explica em si própria (palavra) corromper, e as maiores feridas que as pessoas carregam dentro de si hoje em dia, são fases e momentos corrompidos em sua vidas (quebra de relacionamentos importantes que tiveram em seu passado) seja na infância com os pais, sejam com namoros, amizades, divórcios, entre outros.

Não sou tão íntegro como gostaria, mas já “sofri” muito por sempre buscar a integridade (Deus o sabe). Mantenha-se íntegro perante Deus e no momento certo seja franco e sincero em seus relacionamentos.

Paz de Cristo!